História

 

O Centro de Linguística da Universidade NOVA de Lisboa (CLUNL) foi criado em 2000.

Os primeiros trabalhos de investigação, no domínio da linguística, tiveram início em 1975, na área das Línguas e Literaturas Modernas, graças ao interesse das Professoras Maria de Lourdes Belchior e Maria Emília Marques. Os pressupostos teóricos da equipa de trabalho de então, congregando os domínios da Sociologia, da Informática, da Sociolinguística, da Psicolinguística e do Ensino de Línguas, numa perspetiva interdisciplinar e contrastiva, foram apresentados no Primeiro Encontro Nacional para a Investigação e Ensino do Português, em 1976. Este grupo de investigação constituiu o NELC – Núcleo de Estudos de Linguística Contrastiva, integrado no Centro de Estudos Comparados de Línguas e Literaturas Modernas. Em 1979, o NELC publicou, no primeiro número da revista Letras Soltas, um conjunto de artigos que se integravam já em alguns domínios que viriam a desenvolver-se posteriormente no CLUNL. O segundo número desta revista foi organizado por Maria Henriqueta Costa Campos, tendo publicado trabalhos considerados então pioneiros em Portugal nos domínios da semântica enunciativa e da gramática relacional.

O trabalho desenvolvido desde a criação do CLUNL, em 2000, tem contribuído de forma relevante e diferenciada para os estudos de linguística em Portugal em áreas tão diferentes como a Aquisição (de L1 e L2), a Análise do Discurso, a Teoria do Texto e a Terminologia, ao mesmo tempo que se tem evidenciado pelos trabalhos realizados nos domínios da sintaxe, da morfologia, da semântica ou da linguística histórica. Ao aliar modelos conceptuais e teóricos muito diferentes, a atual configuração do CLUNL reflete e dá continuidade ao projeto desenvolvido ao longo destes anos.

Entre 2000 e 2006 o CLUNL foi dirigido por Teresa Lino. Maria de Lourdes Crispim presidiu às duas comissões diretivas seguintes, de 2006 a 2010, de que fizeram parte Maria Lobo, Fernanda Menéndez e Maria do Céu Caetano. Entre 2010 e 2016, a comissão diretiva do CLUNL foi constituída por Maria Antónia Coutinho, presidente, e Alexandra Fiéis e Clara Nunes Correia, vogais.

As linhas orientadoras definidas por estas direções permitiram ao CLUNL afirmar-se como uma unidade de investigação marcante, constituindo-se como polo atrator de jovens investigadores e de investigadores nacionais e internacionais.